Resenha: Gigantes – Pedro Henrique Neschling.

20160130_135651

Paralela – 2015 – Literatura brasileira – Nota 3♥♥♥.

Gostei do livro, fiquei até em dúvida de uma nota quatro, mas achei que a três seria mais apropriada. O finalizei hoje, lendo-o em dois dias. O livro tem 229 páginas e é bem fácil de ser lido. Poucas descrições, o que eu gosto, diálogos misturados à narrativa da história. Em terceira pessoa, o que afasta-nos um pouco dos personagens, mas que torna mais fácil analisar imparcialmente cada um deles. O personagem que mais me cativou foi Zidane, talvez por ser o oposto de tudo aquilo que eu sou, certinha e chatinha, haha. O livro pra mim foi muito bom, porque trata de algo que se passa comigo nos dias de hoje, a idade e as incertezas.

Narra à história de cinco amigos de escola, mostrando eles na época e nos dias atuais, dez anos depois. Fernando, Duda, Camila, Zidane e Felipe. A amizade que os unia no colégio, os sonhos, as vontades e vocações e o decorrer do tempo. A vida de cada um e as mudanças que ocorrem, de forma esperada e muitas vezes imprevisível. Cinco adultos de classe média, do Rio de Janeiro, suas descobertas, viagens, estudos, trabalhos, amizades novas e romances. Suas escolhas certas e erradas. A sensação de nostalgia que o livro traz que pra mim, tem um significado especial, pois justamente me lembro da minha adolescência e agora quando me vejo com meus quase trinta. O protagonista ainda sim, em minha opinião é o Fernando. Sem necessariamente ordem cronológica palpável. Histórias leves e pesadas, reais e irreais (para mim particularmente), hilárias, fortes, tristes. De tudo um pouco. Adorei a ideia de inserir a música, bandas, letras e canto na história. Só a menção a banda australiana Silverchair, com ênfase no Daniel Johns já ganhou inúmeros pontos comigo, pois foi uma das paixões dos meus dezesseis anos (confesso). Fernando, que sonhava ser diretor e produtor, seu sonho era ganhar o mundo com seus filmes e projetos. Camila não tinha uma vocação apenas, só sabia que queria ser livre, experimentar de tudo, gostar de tudo. Duda gostava de moda e design, gostava de criar. Zidane, surfista, skatista e vocalista de banda. Felipe, produtor de comerciais, mas aberto a todas as oportunidades que surgissem, queria aproveitar a vida. A sensação de amadurecimento, crescimento, dúvidas e conflitos quando nos tornamos adultos me fez refletir sobre minha própria vida e decisões. O livro mostra como nem sempre é possível controlar o destino e como isso pode ser bom ou ruim. Alguns se casam, têm filhos, descasam ou não, descobrem nova orientação sexual ou assumem o que sempre foram. Estudam, desistem, recomeçam, se animam, desanimam e a vida se mostra uma montanha russa de verdade. Um desencantamento sábio, como disse Pedro.

Escolha seu favorito! 😉

Resenha: P.S.: Ainda amo você – Jenny Han.

Intrínseca – 2016 – Ficção americana – Nota 5♥♥♥♥♥.

Continuação de Para todos os garotos que já amei.

Uau, vamos lá, sinto que nada do que eu escreva aqui será a altura dessa leitura. E eu já sabia disso, antes mesmo de comprá-lo. Tenho a mesma sensação que tive quando finalizei o primeiro volume. Aguardei ansiosa pelo lançamento e assim que chegou em casa, passei-o na frente de todos os outros que ainda tenho que ler. Só de pegar nele, já senti uma satisfação, que loucura, tipo É meu, ninguém rela!, quase histérica, até me assustei. O li em dois dias, devorando as páginas, mas pela primeira em muitooo tempo não queria que acabasse para eu começar logo um outro exemplar, tenho vários, quando estava nas últimas cem páginas, já comecei a sentir uma dorzinha, uma tristeza real, não queria que acabasse, ao mesmo tempo que não conseguia soltá-lo. Enfim, passei um pouco do meu próprio padrão de doidera. A sensação que tenho é que poderia passar o resto da minha vida lendo sobre a vida inteirinha de Lara Jean. Que personagem maravilhosa, escrita pela maravilhosa também Jenny Han. Vou comprar os livros dela pelo resto da vida, tenho certeza. Ela é de outro mundo. Fez escrita criativa e comecei a pesquisar para fazer esse curso um dia por causa dela. Não me importo de estar soando exagerada, pois é assim que me sinto. Como faço para encontrá-la? Criativa seria a melhor palavra para descrever a autora e peculiar para descrever a personagem. Estou apaixonada pelas duas. Fico aqui com vontade de saber mais, de saber tudo sobre essa menina de dezessete anos. Apesar de o livro ter um desfecho compreensivo e altamente satisfatório, ainda poderiam acontecer outras coisas, o que deixa margem, eu espero, para um terceiro livro no decorrer desse ano. Vou orar! 

Inicia-se exatamente de onde terminou o primeiro. Com a Lara Jean depois de escrever para Peter, ir atrás dele para entregar a carta. Eles conseguem se entender e começam a namorar de verdade. Mostra Margot querendo reatar com Josh e ele não aceitando, depois já na faculdade e conta um pouco da sua rotina. Kitty e sua amizade com a vizinha, Trina Rothschild e a luta para adestrar Jamie Fox-Pickle, o cãozinho da família. Lara Jean começa a trabalhar voluntariamente em Belleview, um asilo da cidade em que Margot já trabalhou e logo faz amizade com a senhora Stormy e suas histórias que rendem risadas. Planeja bailes para o asilo e mostra o avanço no namoro com Peter. Até que um vídeo dela e dele no ofurô na viagem que fizeram com a escola surge e vira meme em toda a escola. Ela se assusta e tem certeza que Genevieve, a ex-namorada de Peter, está por trás disso, mas Peter a convence que não e defende Lara Jean para todos e consegue tirar o vídeo do ar. Ele sempre fofo, divertido e paciente. Eles renovam o contrato de namoro com novas clausulas e mostra sua cumplicidade com Chris, amiga de escola desde a infância. Sua relação com Lucas, um dos garotos das cartas que estuda na mesma escola e é gay fica mais assídua. Josh se afasta um pouco, mas a amizade continua ali, mesmo ele seguindo em frente. Mostra-a cozinhando muitas vezes, o que ela adora. Falando de roupas, cabelo, próprios da idade. Seu pai sempre somente trabalhando e em casa cuidando das filhas. Eis que recebe uma carta de John Ambrose McClaren, um dos garotos para quem ela enviou uma das cinco cartas e o único que não tinha tido resposta. Ele conta que havia se mudado, por isso a carta demorar a chegar em suas mãos. Eles começam a se corresponder. Eles eram amigos de infância e ele era melhor amigo de Peter. Lara Jean descobre que a casa vizinha foi vendida e que a casa da árvore será demolida. Ali fica enterrada a cápsula do tempo que ela, Peter, John, Chris, Genevieve e Trevor colocaram e resolve convocá-los para retirar os pertences de cada um. Lara Jean se incomoda com Peter e sua relação forte com Genevieve que aparecem juntos. Eles continuam se falando e se encontrando, embora diga que é só amizade, causa ciúmes. Ao mesmo tempo em que John parece um príncipe e está interessado nela. Eles decidem brincar de “assassinos”, como um detetive e ladrão, em que um tem que pegar a pessoa que tirou tocando nela e passando para a pessoa seguinte. Isso pode levar dias, mas concordam. A brincadeira toma rumos inesperados. Poderia continuar a história, mas acho que eu tiraria a graça de vocês o lerem. Sei que a narrativa é muito boa, flui naturalmente e parece que estamos dentro dela. Livro em primeira pessoa, sentimos como se fossemos a própria Lara Jean. Mostra todos os envolvidos na trama e acho todos os personagens secundários divertidos e cativantes também, até Genevieve. O desenrolar da história apresenta surpresas e dúvidas, descobertas e mais dúvidas. Corações partidos, risadas, momentos engraçados e bonitos e o desfecho de todos os personagens que gostei bastante. Engraçado como eu tomo partido da Lara Jean e quando ela se vê dividida, me sinto também, quando ela percebe que foi injusta, me vejo assim também e quando ela fica aliviada e feliz, idem. Fascinante o fato de uma história que para quem não leu poder soar como tola e superficial, se tornar para mim e para todo mundo que leu um livro mágico. Quando se chega ao fim do livro o gosto é agridoce. Todo o prestígio é de Jenny. Recomendo mais que tudo!

Resenha: O Harém de Kadafi – Annick Cojean./ Dica de Filme: As Sufragistas.

20160127_234406

Verus Editora – 2012 – Biografia – Nota 4♥♥♥♥.

Boa noite, estamos em mais uma quinta-feira para o espaço de cultura/ história para falar desse livro reportagem escrito pela jornalista Annick, que é uma biografia publicada pela Verus Editora, lançado em 2012. O li há um bom tempo, quando fui presenteada com este volume e nunca o esqueci. Eu que sempre levanto a bandeira do feminismo, fiquei chocada e muito triste com esse relato. Acredito que nós, que vivemos no Brasil, ainda que tenhamos uma longa luta para a igualdade de gênero no  país estamos muitíssimo evoluídas em relação a países como a Líbia, no qual se passa a história.

Conta à história de uma menina, Soraya de 15 anos de idade, totalmente inocente, que foi raptada e mantida como refém sexual do líder Muamar Kadafi por anos, assim como tantas outras meninas, à força e sem direito a nada. Um homem poderoso, que controlava todo um país na base do carisma e se preciso da força extrema, destruindo a vida dessas meninas, que depois de desonradas, não lhe restavam mais nada. Elas eram trancafiadas no palácio dele e viraram suas escravas, sem contato com a família, escola e mundo exterior. Ainda nos dias atuais, o assunto é tabu e não se fala sobre isso, pois perante a sociedade, elas é que devem mentir e omitir, pois a vergonha “seria” delas. O relato é bem detalhado em alguns momentos que causa aflição, a constatação do que essas meninas representavam para a mente doentia do ditador é impactante, tratadas como objeto e repudiadas por todo um povo. 

Fonte: Portal 100 Fronteiras.

O ex-ditador líbio Muamar Kadafi, deposto e linchado pelos seus opositores em outubro de 2011, poderia ser definido em uma única palavra: megalomaníaco. Atribuía enorme importância à sua imagem, se vestia de modo bastante peculiar e fazia questão de transformar suas aparições públicas em extravagantes encenações. Nascido em uma família muito pobre de beduínos, Kadafi trazia de volta suas raízes ao acampar em luxuosas tendas durante viagens a outros países ou ao receber personalidades na Líbia. Queria se mostrar autêntico, e não suportava concorrência ou comparação. Ele impedia que de seu país sobressaísse algum nome que não o seu, até os jogadores de futebol só podiam ser citados pelo número da camisa. Dentro do seu plano de intrigar o mundo estava se apresentar como único chefe de estado a se cercar de uma guarda inteiramente feminina. E ali ele escondia seu maior segredo: além de megalomaníaco, também era obcecado por sexo. Suas “amazonas”, como eram chamadas, destacavam-se pela beleza – a maioria não tinha qualquer formação militar nem sequer portava armas. Muitas eram, na verdade, amantes e objetos sexuais de Kadafi.

Aproveito o espaço, já que estou falando sobre as dificuldades que mulheres enfrentam até os dias atuais, simplesmente por ser mulher, para indicar o filme “As Sufragistas”. Sufragista é o termo utilizado para pessoas que lutavam ou lutam pelo direito da mulher ao voto. Produzido no Reino Unido e lançado em Dezembro de 2015, com Meryl Streep no elenco, o filme retrata uma das campanhas do movimento, quando as mulheres estavam cansadas de pedir educadamente e pacientemente que tivessem os mesmos direitos que os homens e não eram ouvidas, partindo para as manifestações de desobediência civil e sendo duramente repreendidas pela polícia (conseguem enxergar alguma semelhança com os dias atuais?) mostrando tanto os acontecimentos históricos quando os conflitos pessoais dessas mulheres. O público é levando juntamente com a protagonista a revoltar-se com a forma como as mulheres são tratadas física e moralmente, nos remetendo aos dias de hoje, refletindo sobre quantas mulheres já precisaram sacrificar-se para termos os “privilégios” (gosto de usar aspas quando sou irônica) que temos hoje e o quanto ainda precisa ser feito e discutido aqui e mundo afora. A injustiça com que as mulheres do filme são conduzidas causa raiva e tristeza. Mistura de drama com documentário, um ótimo filme para o fim de semana.

Trailer Oficial Legendado As Sufragistas

As sufragistas

Até a próxima semana 🙂

Resenha: O destruidor de corações – Vi Keeland.

20160125_154321

Charme Editora – 2014 – Romance estrangeiro – 275 páginas – Nota 4♥♥♥♥.

Este foi um exemplar que me cativou pela capa, em textura aveludada, o livro é bom até de segurar nas mãos. Achei que seria mais um livro erótico qualquer e me surpreendi positivamente. A narrativa é boa e gostosa de ler, o li em três dias facilmente. O conjunto da obra é boa porque mistura elementos básicos para um bom romance, carisma, fofurisse e erotismo são intensos e colocados na medida certa, problemas fortes e impactantes dos protagonistas, mudanças, reflexões e lições de aprendizado. A maneira como a história flui parece real e nos aproxima dos personagens. Livro em primeira pessoa, sendo contada a história por ambos, algo que eu aprecio. Encontrei uns quatro erros de português, nada demais. A paixão e o amor lado a lado. Não conhecia a autora e a adorei. Recomendo.

Romance de Elle, uma advogada experiente e inteligente, que mantem um relacionamento casual com seu amigo de faculdade William, uma pessoa parecida com ela, até os dias atuais. Ao conhecer Nico Hunter, sente atração imediata e toma a decisão de ficar sozinha, ao mesmo tempo que ele se aproxima dela rapidamente, pois também está mexido. Eles iniciam uma relação cheia de desejo e paixão. Nico Hunter, lutador de MMA, conhecido como destruidor de corações é o típico esteriótipo de cara mau, com músculos e tatuagens. Porém eles se apaixonam ao mesmo tempo que suas feridas vêm a tona. Elle tem um passado trágico em família, quando ainda era uma criança se vê tomando uma atitude que muda sua vida. Ela nunca conseguiu conversar sobre isso com ninguém, nem mesmo com a mãe, somente com sua amiga Regina, secretária no mesmo escritório que ela advoga e a culpa que sentem pelo passado fortalece os laços da amizade. Porém esta ferida vem a tona quando Nico, após treze meses sem lutar resolve voltar para a gaiola para um combate e a luta se torna um tormento, pois no passado houve um fato que marcou a história dele. Nico não se conforma e afasta Elle. Quando ele acredita que ela tenha voltado com o ex, ele luta por ela para ficarem juntos. Conhecem as famílias um do outro e ele então descobre que tem que enfrentar a luta de sua vida, devido ao respeito que tem por Preach, seu treinador que é quase um pai. Levantando questões sobre perdão, recomeço, amor e união, ele e Elle precisam enfrentar seus tormentos para poderem ficar juntos.

Sinopse – Fonte: Editora Charme

Não importava que o árbitro tivesse considerado que aquele tinha sido um golpe limpo. Nico Hunter nunca mais seria o mesmo. Elle tem uma boa vida. Um trabalho que ela ama, um apartamento grande, e o cara que ela está namorando há pouco mais de dois anos é um ótimo partido. Mas sua vida é chata… e ela se esforça para mantê-la assim. Muitas emoções são perigosas. Seu próprio passado é a prova viva do que pode acontecer quando você perde o controle. Então Nico entra no escritório de Elle e tudo muda… para ambos. Mas o que o lindo lutador de MMA, tatuado e com um corpo de tirar o fôlego pode ter em comum com uma advogada muito controlada? Muito mais do que eles esperavam. Um romance bestseller do New York Times e USA Today.

Resenha: Dicas de livros lidos – Parte 4.

 20160109_214904

Dia da semana: Categoria: Animais e/ou Espiritualidade Leitura
Os cães nunca deixam de amar/ Todos os animais merecem o céu/ Angel dogs/ A Cabana/ Para sempre comigo/

 

(Por favor, já deixem por perto a caixinha de lenços).

Os cães nunca deixam de amar – Teresa J. Rhyne – Nota 3.

História de Seamus, um cachorro lindo da raça beagle, que desenvolve câncer e sua dona Teresa, que também se descobre com câncer e a luta conjunta deles contra a doença.

Todos os animais merecem o céu – Marcel Benedeti – Nota 3.

Juntando os elementos animais, livro e espiritualidade, fica impossível não gostar. Conta como o espiritismo trata dos animais, questões em vida, em morte e reencarnação.

Angel dogs: Anjos de quatro patas – Allen e Linda Anderson – Nota 3.

Allen e Linda contam histórias de seus leitores e ouvintes sobre cachorros, espiritualidade, amor e ensinamentos.

A Cabana – William P. Young – Nota 4.

Um livro que fala de espiritualidade de um ponto de vista que eu nunca vi que me fez questionar várias certezas que eu tinha sobre a vida e sobre Deus. Impactante, quem o ler, deve fazê-lo de mente aberta, pois coloca em questão várias reflexões profundas de como encaramos a vida de maneira egoísta e parcial. A história é sobre um pai que acaba de perder sua filha em um assassinato. Recomendo MUITO!

Para sempre comigo – Marcelo Cezar – Nota 4.

História de Caio, que após cometer erros na vida, é preso injustamente e aprende sobre o espiritismo. Sua história de amor com Luísa e relação com outros personagens é profunda e cheia de ensinamentos.

Resenha: Dicas de livros lidos – Parte 3.

Categoria: Psicologia Leitura
Predadores humanos/ Grau 26/ A paixão no banco dos réus/ Serial Killers/ Mentes perigosas.

 mentes perigosas

Predadores Humanos – Janire Rámila- Nota 4.

Livro reportagem sobre assassinos psicopatas.

Grau 26 – Anthony E. Zuiker – Nota 3.

História de um homem que tenta capturar um serial killer que assassinou sua família e agora tenta matar sua nova mulher grávida. O livro é de uma inteligência maravilhosa. E como é detalhado e bem entrelaçado, nos fazendo querer descobrir de qualquer jeito o final.

A paixão no banco dos réus – Luiza Nagib Eluf – Nota 3.

História de crimes passionais cometidos ao longo da história e tese sobre isso, além de entrevista com um advogado criminalista.

Serial Killers: Nas mentes dos monstros – Charlotte Greig – Nota 3.

Histórias reais dos maiores serial killers do mundo, sua história e seus crimes.

Mentes Perigosas – Ana Beatriz B. Silva – Nota 4.

Adoro essa especialista e a forma como ela explica sobre a mente humana. O livro aborda o comportamento e a mente dos psicopatas e seus graus de perversidade. Suas características e seu modo de pensar e agir. A leitura é fácil e a escrita, coloquial. Cita alguns exemplos conhecidos e nos faz analisar sobre o fato de que será que já conhecemos alguém assim. Interessantíssimo.

Por favor, não se assustem comigo, adoro esse tema e acho que é porque a mente humana me fascina. 

Resenha: Dicas de livros lidos – Parte 2.

 20160125_195644

Categoria: Romances
O lado bom da vida/ A última música/ Um dia/ Entre o agora e o nunca/ Easy/ Dançando sobre cacos de vidro/ Jardim de Inverno/

 

O lado bom da vida – Matthew Quick – Nota 4.

História de Pat, um homem traído e atormentado que encontra uma jovem viúva também atormentada pelo passado e juntos se ajudam. Um romance nada convencional com protagonistas conflitantes e é isso que torna o livro bom. Assisti ao filme e adorei-o também.

A última música – Nicholas Sparks – Nota4.

História de uma jovem que volta a morar com o pai que pouco conhece, contra sua vontade e vê sua vida transformada pelo amor e pela dor. Um dos melhores do autor. Adorei o livro e também o filme.

Um dia – David Nicholls – Nota 5 (isso mesmo, CINCO).

História de um casal (Emma e Dexter), amigos por longa data (20 anos) com encontros e desencontros da vida, que nutrem sentimentos um pelo outro e quando resolvem ficar juntos, o destino reserva surpresas. Devo dizer que fico tentada a ler sempre esse autor novamente, pois o achei incrível. Indico o livro com propriedade. Para aqueles que gostam de romances como eu, que foquem nas histórias de vida e não simplesmente no desenrolar do romance entre os protagonistas. Maravilhoso!

Entre o agora e o nunca – J. A. Redmerski – Nota 5 (isso mesmo, só livro bom).

História de uma jovem que parte sem destino e conhece um rapaz no caminho e os dois se apaixonam, porém existem mistérios e segredos que são revelados ao longo do livro que podem mudar seus destinos. Um romance incrível e muitoooo fofo. Li a continuação (Entre o agora e o sempre) e não sei se a expectativa era tanta, mas acho o primeiro bem melhor.

Easy – Tammara Webber – Nota 4.

Jaqueline é deixada por Kennedy, seu namorado e se vê sozinha na cidade e no campus que estuda (foi para lá pra ficar perto dele), até que é salva de um estupro por Lucas e tem a ajuda de seu monitor Landom nas aulas, então ela se vê dividida pelos dois e o desfecho é muito bom. Envolvente, rápido e bonito. Recomendo!

Dançando sobre cacos de vidro – Ka Hancock – Nota 4.

História de Lucy, com câncer de mama e Mickey, com transtorno bipolar, que se apaixonam e vivem 12 anos juntos superando tudo, até que ela fica grávida e descobre estar com câncer terminal, tendo que tomar a decisão mais difícil de sua vida. Um romance encantador e totalmente inesperado. AMEI!

Jardim de Inverno – Kristin Hannah – Nota 3.

História de Anya, uma mãe ruim e autoritária com suas filhas Meredith e Nina, mas que contando suas histórias do passado é possível perceber todo o sofrimento e luta dessas três mulheres maravilhosas. Livro que classifiquei como romance, embora seja mais ficção, mas a autora é talentosa e tenho vontade de ler outros volumes dela. Faz-nos refletir em nossos julgamentos cruéis e acho isso formidável. Presenteei minha mãe com ele, mas acho que só eu o li haha.

Resenha: Estranha Perfeição – Abbi Glines

20160124_213322

#Nota3♥♥♥

Chego ao fim da leitura do meu oitavo livro do ano, me propus a ler dez volumes todos os meses e estou cumprindo bem, por enquanto. Estava meio ressabiada de ler essa história depois de ler os quatro volumes de Blaire e Rush, achei que estivesse meio cansada da autora, mas me surpreendi positivamente. A história é boa e nova, embora a autora repita algumas falas dos livros anteriores. Erotismo suave, fácil leitura, história fofa, alguns clichês, mas envolvente. História contada em primeira pessoa, do ponto de vista dos dois, ficando fácil analisar o ponto de vista de ambos.

História situada no mesmo ambiente de Blaire e Rush. Conta à história de Della, 19 anos, que sai de sua cidade natal após a morte da mãe, que sofria de problemas mentais após a morte trágica do marido e filho e comete suicídio, deixando Della atormentada. Ela parte de carro sem destino. Cruza com Woods em um posto de gasolina e eles ficam juntos. Ela parte para outra cidade, mas após quatro meses trabalhando em um bar, se envolve com um homem e descobre que ele era casado e a esposa está grávida. Tripp, seu amigo do bar, lhe oferece sua casa em Rosemary (um pouco surreal, ok) e lhe arruma um emprego, com o amigo Jace, namorado de Beth no clube de golfe e ela descobre que Woods é seu novo patrão. Woods está noivo, contra sua vontade a mando do pai, para poder herdar a empresa, um casamento arranjado pelas duas famílias para poder uni-las. Ele fica dividido, pois o que o avô construiu deveria ser seu por direito. Porém ele não consegue manter-se longe de Della, ainda mais com seus amigos investindo nela, incluindo Tripp que volta a cidade e tenta convencê-la a partir sem destino com ele de carro. Só que ela também luta contra o sentimento, por temer ficar igual à mãe um dia e destruir a vida dele. Ele a ajuda com seus temores noturnos e quando o pai dele descobre, acontecem coisas surpreendentes. Quando eles finalmente ficam juntos novamente, uma tragédia se põe sobre o casal e deixa o suspense para o volume a seguir.

Resenha: Dicas de livros lidos – Parte 1.

20160109_214852

Resolvi listar abaixo algumas dicas de livros sobre temas diferentes. Livros que li há algum tempo, mas que me surpreenderam de forma tão positiva e vale a pena a indicação:

Categoria: Biografia/ Crônicas Leitura
Renato Russo – o filho da revolução/ Putz some farofa/ Tempo bom, tempo ruim/

 

Renato Russo – o filho da revolução – Carlos Marcelo:

Conta a história de Renato Russo, desde a infância até o sucesso da banda Legião Urbana, até ficar doente e falecer. Suas músicas e histórias. Seus amigos, sentimentos, pensamentos, composições, experiência em outras bandas e como artista solo. Livro bem completo e apaixonante.

Putz Some Farofa – Gregório Duvivier:

Identifico-me com a linha de pensamento dele. O acho talentoso como ator, roteirista, escritor e provavelmente o que mais ele se propuser a fazer. O livro traz crônicas da coluna da Folha e esquetes do porta dos fundos – histórias breves de humor e sarcamo. Leitura boa e rápida.

Tempo bom, tempo ruim – Jean Wyllis:

Jean discursa sobre a política, assuntos tabus e polêmicos de forma clara e objetiva. Pensamento de esquerda, contra os preconceitos e discriminações das minorias. Aprofunda sua linha de pensamento nas questões de gênero. Muito bom e reflexivo. Mostra também sua luta no senado pela busca de seus ideais.

Resenha: Trilogia Sem limites = Paixão sem limites/ Tentação sem limites/ Amor sem limites. Bônus = Rush sem limites – Abbi Glines.

20160124_002605

Média: Nota3♥♥♥

Comecei a leitura por indicação da minha irmã Jéssica, parceira de sempre, e li os quatro livros da série em sete dias. Os livros são de fácil leitura e cerca de duzentas páginas cada um.

Resenha: Paixão sem limites = Nota3.

Blaire Wynn, uma garota que acaba de perder a mãe que ajudava a lutar contra o câncer há três anos e dois anos antes perdeu a irmã gêmea em um acidente de carro no qual seu pai dirigia e depois disso ele fugiu para viver com outra família, agora que teve que vender a casa e os móveis que herdou da avó para pagar o tratamento da mãe, tem que pedir ajuda ao pai que não vê há cinco anos. Quando chega a casa dele, descobre que ele está em viagem com a esposa e seu irmão postiço, Rush Finlay, cinco anos mais velho e filho de sua madrasta, não a suporta, assim como toda a família nova. Nan, filha de Georgiana a detesta e ela não entende por quê. O único que a trata bem é Grant, irmão de consideração de Rush. Ela se hospeda na casa e aos poucos, Rush e ela se apaixonam e ficam juntos. Porém, ela descobre o segredo e foge da cidade. Seu mundo rui a partir do momento que descobre que sua vida é uma mentira e que não pode confiar em ninguém, embora esteja apaixonada por Rush, tudo que ela vê quando o olha é a traição e mentiras do passado. O livro parece juvenil e bobo, um romance erótico, mas as histórias surpreendentes vão além dos momentos picantes entre os protagonistas. Encontrei erros de português e falas bem clichês de Rush para Blaire nos momentos picantes, mas ainda sim, a história é boa. Leitura rápida, livro pequeno. A capa soa juvenil, linguagem coloquial. História manjada da menina pobre inocente que se apaixona pelo cara rico, lindo e sensual, que é galinha, mas por ela, ela se transforma. Apaixona-se e torna-se obsessivo e existe um quê de machismo, pois ele trata todas as outras mulheres como um nada e só a protagonista é um ser especial e diferente, embora ela não seja, pois ela é bem fácil para ele também. Ele do tipo mandão e usa termos como “gata”. Contraditório, lembra Belo Desastre. Bom que é em primeira pessoa e o que prende o leitor é o segredo, o qual você quer continuar lendo para descobrir. 

Resenha: Tentação sem limites = Nota3. (Se não leu o primeiro volume, não continue).

Blaire volta para sua cidade natal, onde só lhe restou Cain, namorado da adolescência, mas que após trai-la, acabam sendo apenas amigos e a avó dele que a estima muito à deixa morar em sua casa. Ela se descobre grávida de Rush e após a vinda de Beth para uma visita, sua amiga da cidade de Rush, que trabalhava com ela no centro de golfe, e a briga entre Cain e Rush por causa dela, ela decide voltar à cidade e acaba se acertando com Rush, embora toda a família seja contra e ele acaba rompendo com todos. No fim do livro, Nan sofre um acidente de carro e Rush parte para o hospital deixando Blaire sozinha. Quando ele retorna, mais um segredo é revelado sobre o pai de Blaire e a história quando uma nova perspectiva.

Resenha: Amor sem limites = Nota2.

Continuação da trilogia Sem limites, último livro, mostra o desfecho da história. Rush e Blaire estão juntos. Após Nan tomar conhecimento de sua origem, Dean, pai de Rush vai até a casa dele e pede que ele e Blaire devam ir morar com ele por um tempo para ajudar a resolver a situação. Eles conhecem Harlow, odiada por Nan e um doce de menina. Ela e Grant se atraem, mas é impossível ficarem juntos já que ele e Nan têm um passado juntos. Um ponto bom do livro são os personagens secundários, como Beth e Jace. Dá vontade de conhecê-los mais. Após uma tentativa de suicídio de Nan, Rush concorda em interná-la. Blaire se sente preterida mais uma vez, pois em um sangramento e corrida ao médico, Rush não está com ela e ela decide ir morar com o pai no barco dele e descobre mais um segredo, só que dessa vez, isso traz conforto ao seu coração. Rush parte atrás dela e eles finalmente ficam juntos e se casam com todos os envolvidos na trama presentes, menos Nan e Georgiana. Mostra o nascimento de Nate, filhos deles e uma parte do envolvimento de Woods e Della. Ele é mais romance do que erotismo, mas acho que o segundo livro foi o melhor, o que mais me envolveu. O terceiro parece morno, sem suspense e quase uma enrolação. A história perdeu o fôlego e se torna cansativo e eu me vi sem paciência, empurrando a leitura.

Meus apontamentos: O lado de Rush sendo super protetor me assusta. Blaire que era totalmente corajosa, independente e guerreira, vira uma sombra de Rush, perde um pouco a sua identidade, sendo frágil e precisa dele pra tudo, a história desmerece um pouco ela. Eu queria terminar logo, pois quando leio um livro mediano fico com a sensação que poderia estar lendo algo melhor. A história de ter que vir em primeiro lugar na vida da pessoa me soa tão egoísta e surreal, isso me incomodou um bocado. Ao meu ver, Nan e Blaire querem chamar a atenção de Rush e ele fica no meio da disputa, soando como coitado na história.

Resenha: Rush sem limites = Nota3.

Conta à história do primeiro livro até a descoberta de Blaire sobre o primeiro segredo do ponto de vista de Rush. Seus motivos, sentimentos e pensamentos adicionando algumas conversas novas, mas a história se mantem a mesma.