Resenha: Pequenas grandes mentiras – Liane Moriarty.

20160327_022030

 

Intrínseca – 2015 – Ficção australiana – 400 páginas – Nota4♥♥♥♥.

Mais uma vez comprei este livro devido a comentários positivos que li na internet e não me arrependi. Mistério e suspense são o foco da história. Ele é narrado em terceira pessoa, contando o ponto de vista de três mulheres. Amigas, moradoras do mesmo bairro e com filhos pequenos que estudavam na mesma escola. As três protagonistas contam suas histórias e mostra o dia-a-dia de cada uma. Porém o livro é sobre um assassinato que ocorreu na escola em uma noite de evento apenas para os pais e a investigação policial que acontece. Ele é retroativo. Inicia a trama três meses antes do episódio e existem muitos coadjuvantes, o que torna a história mais interessante, mostrando outros pontos de vista. Levei quatro dias para ler o exemplar, mas houve pequenos momentos que a história não me prendia, no início, porém a partir da página 197 o li de uma só vez. Observei-me como leitora pela primeira vez e constatei que sempre somos influenciados pelo ponto de vista de quem conta a história. Sempre me vejo ficando a favor dos protagonistas dos livros, defendendo e torcendo por eles. O que me leva a pensar que qualquer pessoa, por pior que seja, se nos contar a sua verdade, entenderemos e seremos parciais. Neste livro torci pelas três e tive raiva daqueles que as afrontavam. Foi meu primeiro livro dessa autora e a forma como ele desenvolveu os acontecimentos mostra seu talento para a escrita. O livro também me apresentou o clube do livro e estou tentada a organizar um. Nunca tinha pensado nisso. Um grupo de pessoas reúnem-se periodicamente para analisar e falar sobre um livro lido de comum acordo de todos. Cada vez, um dos integrantes decide qual será a próxima leitura. Achei o máximo hehe.

Madeline, que pra mim é a personagem mais fascinante, casada com Ed, tem a filha Abigail, adolescente de um relacionamento anterior com Nathan, que as abandonou há anos, decide morar com a nova família no mesmo bairro e matricular sua filha mais nova Skye na mesma escola que a filha caçula de Madeline. Como se isso não fosse desagradável o suficiente, Abigail tem preferência notável pelo pai e a madrasta e decide morar com ele. Ela e Celeste são amigas, Celeste leva uma vida aparentemente perfeita com o marido e os filhos. Ela é linda e escultural, Perry é muito rico e lhe proporciona uma vida ótima e os filhos gêmeos Max e Josh são crianças incríveis. Porém Perry é um cara violento que agride a mulher constantemente sem que ninguém tenha conhecimento. Madeline e Celeste ficam amigas de Jane assim que ela se muda para o bairro e matricula o doce Ziggy na mesma escola. Jane criara o filho sozinha, é Guarda-livros, o que pra mim pareceu mais como uma Contadora, que vive se mudando e está em Pierrew em busca de respostas, porém logo na apresentação dos alunos, Ziggy é acusado de ser praticador de bullying, o que ele nega veementemente e causa um transtorno há todos os pais envolvidos, com petição para suspender Ziggy e tudo que há direito.

As três amigas se tornam confidentes e inseparáveis, porém seus pequenos segredos e mentiras torna a história um grande mistério. Se eu pudesse resumir o livro em uma frase, seria: Nem tudo que parece, é! Existem diversos conflitos e acontecimentos no decorrer do livro que são a magia da história. As três protagonistas têm seu encanto e características diferentes entre si, porém a que me gostei foi Madeline, pois ela é a típica pessoa que não tem medo de expor suas opiniões e ser sincera, mesmo que isso doa, tendo muito de mim na personagem. No final de cada capítulo temos os depoimentos dos pais e moradores do bairro para os policiais e a interpretação do detetive. Liane enfatizou o lado obscuro, sujo e mentiroso do ser humano, aquelas pequenas grandes mentiras que contamos para parecer aos olhos dos outros que somos completamente felizes. Será mesmo que todo mundo tem um segredo a esconder? Você pode confiar cegamente nas pessoas que ama? Podemos fazer tudo aquilo que temos vontade? Como você agiria em cada uma das situações? A história mostra que o suposto praticador de bullying é na verdade o assediado e sofredor do bullying dos pais e amigos. Abandono familiar, mágoas, decepção, agressão infantil, bullying, violência doméstica e sexual, são alguns dos muitos subtemas trazidos pela autora, que provoca sérias discussões e tira você da zona de conforto de um livro apenas para entretenimento, te levando a pensar e viver as situações dos personagens. Liane provoca choque de realidades, pena, comoção e raiva no leitor. As revelações finais foram surpreendentes, errei o assassinado e também o assassino. Gostaria de fazer parte de um clube do livro para debater sobre esse. Vi-me realmente odiando aqueles que odiavam essas três mulheres incríveis Madeline, Celeste e Jane. Consegui sentir seus medos, preocupações, dores e rancores perfeitamente. Recomendo muito.

Até a próxima resenha 🙂

Anúncios

2 comentários sobre “Resenha: Pequenas grandes mentiras – Liane Moriarty.

  1. Pingback: C.L #34 – Livros com maternidade – Entre Livros e Trânsitos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s