Julho/2016: Filmes Assistidos – Parte 1.

Bom dia,

Trago hoje os filmes que assisti nessas duas semanas de Julho. Aqueles mais interessantes e que valem o post.

Precisamos falar sobre o Kevin; Drama – Suspense.

Depois de ler o maravilhoso livro, tive vontade de assistir a adaptação para o cinema e comparar. Apesar de o filme ser muito bom, atores talentosos e transmitir a ideia central ao público, ficou muito aquém. Através do filme fica impossível identificar os sentimentos conflituosos entre mãe e filho e as diversas análises que tirei do livro. Além de muitos detalhes e histórias sendo deixadas de lado. Mas vale a pena assistir o filme quem não teve a oportunidade de ler a história.

10

Sinopse: Desde o primeiro minuto de Precisamos Falar Sobre o Kevin o espectador sabe que algo dará errado. Muito errado. A impactante cena inicial mostra uma multidão em meio a um líquido vermelho, semelhante ao sangue. Uma imagem forte para começar a contar a vida de Eva (Tilda Swinton, em atuação digna de Oscar), através de um quebra-cabeça repleto de variações no tempo de forma que se possa conhecer seu presente e passado. Agora, ela é um pária na cidade, maltratada por quase todos que a encontram. No passado teve uma vida feliz, ao lado do marido Franklin (John C. Reilly). Algo muito grave aconteceu entre estas duas épocas. Seu nome é Kevin, o primeiro filho do casal. Ele é “apenas” uma criança má, desde o nascimento, especialmente com a mãe. Há uma implicância natural que faz com que Eva entre em desespero e sinta-se frustrada. O carinho natural de mãe aos poucos se transforma em temor, com o passar dos anos. Ao mesmo tempo há a sensação de responsabilidade e, de certa forma, culpa, por tê-lo criado. Este difícil relacionamento é pontuado por cenas magistrais, que retratam a esperança da mãe em ser aceita pelo filho e a constatação de que ele, na verdade, a odeia. Sob a direção soberba de Lynne Ramsay, que manipula as informações dadas ao espectador de forma que tudo se encaixe aos poucos, sem jamais perder a sensação de estranhamento diante do exibido, Precisamos Falar Sobre o Kevin é um filme duro e impactante. Os atos de Kevin, por mais que sejam imaginados, sempre surpreendem, pela materialização da maldade pura. Não há justificativa, há apenas o prazer sem compromisso com o futuro. Ou, como o próprio Kevin diz, “That’s no point. That’s the point”. Simples assim, o que torna tudo ainda mais assustador. Destaque também para a escolha precisa dos dois intérpretes de Kevin. Jasper Newell, quando criança, e Ezra Miller, já adolescente, têm atuações impressionantes, transmitindo com o olhar o cinismo do personagem. Um filme perturbador, não apenas pela história em si, mas pela inexistência de um motivo, seja ele qual for. Apenas a constatação de que a mente humana, que pode produzir tantas maravilhas, é também capaz das maiores atrocidades. Basta querer. Excelente filme. (colocar link).

Amor e outras drogas; Romance.

Com os protagonistas, fica fácil se apaixonar pela história e torcer por eles até o final. São dois atores que gosto bastante. Mesmo envolto em muitos clichês, é fofo e doce. Seu lançamento foi em 2011.

11

Sinopse: Jamie Randall (Jake Gyllenhaal) é um garanhão incorrigível, do tipo que perde a conta do número de mulheres com quem já transou. Após ser demitido do cargo de vendedor em uma loja de eletrodomésticos por ter seduzido uma das funcionárias, ele passa a trabalhar num grande laboratório da indústria farmacêutica. Como representante comercial, sua função é abordar médicos e convencê-los a prescrever os produtos da empresa para os pacientes. Em uma dessas visitas, ele conhece Maggie Murdock (Anne Hathaway), uma jovem de 26 anos que sofre de mal de Parkinson. Inicialmente, Jamie fica atraído pela beleza física e por ter sido dispensado por ela, mas aos poucos descobre que existe algo mais forte. Maggie, por sua vez, também sente o mesmo, mas não quer levar o caso adiante por causa de sua doença.

O morro dos ventos uivantes; Drama.

Tenho vontade de ler essa obra clássica há muito tempo, porém como ouvi alguns comentários que o livro seria cansativo, arrisquei em assistir primeiro o filme para conhecer a história. Parte do mérito, acredito, seja da direção e dos atores que trouxeram paixão e intensidade aos personagens, mas quem merece os aplausos de certo é a autora. Fascinante e obscuro, a lição que o filme me trouxe foi a clássica questão de que o ódio faz muito mais mal a quem o sente do que a quem é dirigido ou tanto quanto. A vingança destrói a alma. Posso usar também a famosa frase do veneno: Alimentar o ódio a outra pessoa é como beber veneno e esperar que o outro morra. Muitos avaliam que a adaptação das telas tenha romantizado o Heathcliff, o que acredito ser verdade, pois no filme todas as injustiças que acontecem com ele nos fazem torná-lo o mocinho humilhado e suas vilanias pouco são mostradas e apesar de fortes, são menos do que de fato seriam no livro. Mostra como o amor, o apego, a obsessão e o ódio se separando por linhas tênues. Apesar de longo, a história me prendeu até o fim. Recomendo. Tom fez um trabalho incrível.

12

Sinopse: é uma adaptação televisiva em duas partes do romance “Wuthering Heights” de Emily Brontë, produzida pela ITV em 2009. Os episódios foram adaptados para TV por Peter Bowker e dirigido por Coky Giedroyc. As estrelas do programa são Tom Hardy e Charlotte Riley nos papéis dos famosos amantes Heathcliff e Catherine Earnshaw ou ‘Cathy’. A série foi transmitida pela primeira vez em 18 de janeiro de 2009 nos Estados Unidos, como parte da programação Masterpiece Classic da PBS. Foi eventualmente ao ar no Reino Unido em dois episódios de 90 minutos exibidos em duas noites consecutivas, em 30 e 31 de Agosto de 2009. No Brasil, foi exibido pelo Canal Futura no Cine Conhecimento. 1848. Heathcliff (Tom Hardy) é atormentado pela perda de Cathy (Charlotte Riley), sua falecida amante e alma gêmea eterna. Heathcliff concebe um plano para espalhar seu ódio e vingança sobre aqueles que o rodeiam.

Vídeo completo disponível no Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=kYhsLi3qLeE

Por ora, foram esses três. Volto em breve com mais dicas de filmes. Beijos, lindos!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s