Dezembro/2016: Filmes Vistos – Parte 1.

Bom diaaa,

Este mês acabei assistindo alguns filmes aleatórios, sem pretensão ou expectativa, tirando o primeiro filme da lista que eu tive que procurar e me programar para assistir.

1

O Regresso – 2015 – Drama/ Thriller.

Do inglês “The Revenant” que pode significar o retorno, O Regresso é inspirado em uma história verdadeira antiga, embora ao final do livro o autor explique que alguns fatos são fictícios e outros são suposições que podem ou não terem acontecido.

Irei escrever primeiro sobre o filme sem associar ao livro. O filme é maravilhoso, no sentido de atuações como Leonardo DiCaprio e Tom Hardy, irreconhecíveis e incríveis. A fotografia, os cenários, as cenas de ação e luta sem cortes, os gestos muito mais do que palavras contando a história e todas as dificuldades são reais e perfeitas. Palmas ao diretor Alejandro González Iñárritu, Oscar merecido, assim como o de melhor ator para DiCaprio, agora entendi o porquê ganhou conseguiu criar efeitos especiais sem que eu entenda como. A cena com o urso, a cena quando Glass dispara com o cavalo fugindo das flechadas, quando Glass cai de um precipício e também em outro momento cai de uma cascata de água são surpreendentes e aflitivos.  

Já quando associamos ao livro, fica um pouco complicado, pois vários fatores são divergentes. Pessoas e histórias acrescentadas que não existiram no livro e vice e versa. Mas entendo que a dinâmica do cinema seja diferente da escrita e que ambos os produtos são inspirados na história desse homem, apenas. O filme é longo, mas não cansativo. Alguns personagens sofrem alterações de personalidade também, como Fitzgerald, que parece alguém bem pior do que no livro. O próprio desfecho da história é totalmente diferente da escrita. Recomendo muito também. Inclusive para que possam fazer a comparação.

Sinopse oficial: Inspirado em eventos reais, O Regresso é uma experiência cinematográfica imersiva e visceral que capta a épica aventura de um homem por sobrevivência e o extraordinário poder do espírito humano. Em uma expedição pelo desconhecido deserto americano, o lendário explorador Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) é brutalmente atacado por um urso e deixado como morto pelos membros de sua própria equipe de caça. Em uma luta para sobreviver, Glass resiste à dor inimaginável, bem como à traição de seu confidente, John Fitzgerald (Tom Hardy). Guiado pela força de vontade e pelo amor de sua família, Glass deve navegar um inverno brutal em uma incessante busca por sobrevivência e redenção.

2

Boa sorte – 2014 – Drama – Nacional.

Já tinha ouvido falar neste filme e em como a atriz Debora Secco precisou de sacrifícios físicos para fazer o papel. Minha curiosidade foi porque o tema proposto é ótimo para enfoque.

Sinopse: João é um adolescente com vários problemas de comportamento. Após ser diagnosticado com depressão e abuso de remédios controlados, sua família decide interná-lo em uma clínica psiquiátrica. No local, ele conhece Judite, uma paciente portadora do vírus HIV, em fase terminal. Os dois se apaixonam e vivem um intenso romance. Apesar de saber que Judite pode morrer a qualquer momento, João passa a ver a vida de outra forma, ao mesmo tempo em que dá um novo sentido para a vida de sua amada.

3

Céline – 2008 – Biografia/ Drama .

Assisti a este filme por acaso, minha mãe estava assistindo e acredita que eu gostei? Nada fantástico ou além do comum, mas é uma história bonita. A interpretação e semelhança das atrizes que interpretam Celine é surpreendente e muito boas.

Sinopse: O documentário “Céline” descortina a história da cantora canadense Céline Dion, desde a infância, quando cantava junto com a família em um bar, até a conquista do sucesso internacional. Céline foi descoberta com 12 anos pelo empresário e futuro marido René Angélil. Na produção, inclusive, sua vida sentimental também é abordada. A canadense é uma das cantoras que mais vendeu discos pelo mundo. Entre os sucessos de sua trajetória musical, trilhas sonoras de filmes como a animação “A Bela e a Fera”  até “My Heart Will Go On”, de “Titanic”. A forma como a relação de Céline E René é o que mais me despertou interessante e achei incrível.

4

Boi Neon – 2015 – Drama.

Tenho vários filmes nacionais na fila para assistir e este foi a escolha de ontem. Bastante comentado e tendo recebido diversos prêmios internacionais, eu fiquei curiosa para vê-lo.

Quebrando ou alargando os paradigmas, a história brinca com os clichês, indo contra preconceitos de gênero, mostrando ainda um nordeste sem ser caricato, com expressões originais locais, com uma fotografia bela, uma imagem fugindo do usual indo ao cinza/ azul existente no sertão. A história não tem a pretensão de surpreender, mas surpreende e cativa. Mostrada como forma de vida cotidiana, nós vemos os personagens em seu dia a dia e sem expectativas a um “felizes para sempre”. Desconstruindo barreiras, a lição que fica para mim é que podemos ser o que quisermos. Gostei bastante. È um filme sutil que eu sei que não agrada todos os públicos. A mim, agradou.

Sinopse: Iremar (Juliano Cazarré) é um vaqueiro de curral que viaja pelo Nordeste, ao lado de Galega (Maeve Jinkings) e a pequena Geise (Samya de Lavor). Por onde passa Iremar recolhe revistas, panos e restos de manequins, já que seu grande sonho é largar tudo para iniciar uma carreira como estilista no Pólo de Confecções do Agreste.

Beijos e até breve.

Anúncios