Seriados: Stranger Things– 1° temporada – 2016.

Bom dia, lindos.

Vocês vão ver por aqui bastante séries ainda este mês e o próximo porque estou focada neles no momento. Esta foi a segunda série na Netflix que assisti e fiquei apaixonada.

Assim como eu venho fazendo com as resenhas dos livros, os resumos dos seriados seguirão uma ordem também, pois acredito que fica mais fácil para que eu me lembre dos fatores fundamentais. Vamos lá:

2

História: Matt e Ross Duffer criaram, dirigiram, foram responsáveis pelo roteiro e produziram junto à Shawn Levy (uau!) uma história ambientada nos anos 80, usando Hawkins em Indiana como cidade da trama que envolve o desaparecido de Will (Noah Schnapp), um menino criado pela mãe Joyce Byers (Winona Ryder) e pelo irmão Jonathan (Charlie Heaton) com um pai totalmente ausente. Enquanto todos da cidade se questionam o que pode ter acontecido ao garoto, seus três melhores amigos, Mike, Dustin e Lucas (Finn Wolfhard, Gaten Matarazzo e Caleb McLaughlin), buscam descobrir onde ele está. Pelo caminho encontram Eleven (Millie Bobby Brown), uma menina peculiar e com poderes sobrenaturais que está fugindo de tudo e todos. Ainda para ajudar nas buscas a mãe conta com a ajuda do delegado da cidade, Jim Hopper (David Harbour) que começa a investigar fatos estranhos que ocorrem na cidade, como o desaparecimento posterior de outra aluna, só que mais velha, Barbara, amiga de Nancy Wheeler (Natalia Dyer), irmã de Mike. 

Quantidade de capítulos: Oito capítulo de cinquenta e cinco minutos cada um.

Abertura: Viciante, uma tela preta onde uns retângulos vermelhos compridos cruzam-se entre os nomes dos atores em cor branca no meio da tela e aquilo hipnotiza. Simples, mas estratégico. Criação da banda Survive, a música instrumental é maravilhosa.

1
Abertura

 

Trilha sonora: Maravilhosa, desde a abertura, com uma música muito forte e envolvente e durante a série, nos momentos aflitivos e de emoção temos The Clash, Joy Divison e New Order, entre outros. Bastante nostálgico, por tratar-se de músicas da década de 1980.

Imagem: O projeto de filmagem nos mostra imagens estilo anos 80 mesmo e você se sente naquela época. Usando muitos instrumentos como objetos e cenários para que acreditemos nisso.

Cenas: Todas as cenas são bem amarradas e os cortes são no tempo certo, criando uma interação entre a história e quem assiste. Efeitos especiais remetendo a acontecimentos sobrenaturais, jogando com questões espirituais também são bem reais. Além da pureza que nos traz visualizar uma cidade a princípio pacata, com seus moradores andando de bicicleta e no decorrer da história um aperto no estômago que nos acompanha nas cenas de suspense, que entregam o que prometem, muito mistério. 

3
Lucas, Dustin, Mike (ao fundo) e Eleven

 

Personagens principais: Temos três grupos de personagens principais, sendo o primeiro o grupo dos três garotos juntamente com Eleven, o segundo sendo Joyce e Jim (que poderia formar um casal que eu não me importaria, pois adorei a dinâmica dos dois juntos) e o terceiro sendo Nancy e Jonathan (que soarei repetitiva, mas que gostaria que ficassem juntos e há enorme chances de isto acontecer na segunda temporada). Todos esses oito personagens são cativantes e me fascinaram. Quedinha especial por Eleven que traz todo o mistério da trama ao compor uma menina tão forte e frágil ao mesmo tempo, Mike que pode ser considerado o mocinho da trama, Dustin que traz a leveza de um personagem com tiras cômicas que me fizeram rir, Jim que traz um passado revelado ao longo da história e que com isso sua personalidade é desvendada e Jonathan que traz uma rebeldia boa, aquele típico adolescente que não se encaixa nos padrões e tido como alguém anormal, mas que se mostra um cara correto (apesar de que fotografar moças sem permissão me deixou incomodada). Winona também está maravilhosa no papel.

5
Jim e Joyce

 

Secundários: Temos os pais de Mike, o departamento de policia e os funcionários do laboratório, além dos amigos do namorado da Nancy que não acrescentam muito à história e são superficiais. Também vemos, além de todo o enredo apresentado, ainda somos remetidos à questões próprias da época, como o bulliyng praticado no colégio dos garotos (eles sendo os excluídos) e os romances juvenis como acontece com Nancy e Steve (que desgostei todo o tempo até o final).

4
Jonathan, Nancy e Steve

 

Referências: A trama se intensifica quando é mostrado que o Dr. Martin Brenner (Matthew Modine) é diretor de um laboratório de experimentos humanos, onde crianças são testadas, sendo mantidas em cativeiro e dadas como mortas pela polícia. Isso envolve uma rede de conspiração entre policiais, agentes do governo e médicos. Ainda lidamos com o fato de um monstro criado através de experimentos estar fora de controle e tentando matar pessoas da cidade.

Gêneros: Mistério, Drama, Suspense, Fantasia, Terror e Sci-fi. Utiliza várias referências bastante conhecidas por nós através de filmes clássicos.

Ganchos: Ótimos e enquanto não acabou a temporada não fiquei satisfeita. Pois a cada fim de capítulo eu precisava entender e descobrir o que tinha acontecido com Will, com a Eleven, assim como saber como as crianças ficariam e como Jonathan terminaria.

Final: Promissor, deixando muitas questões em aberto para a próxima temporada.

Recomendo?: Sim,muito.

Beijos e até breve.

Anúncios

2 comentários sobre “Seriados: Stranger Things– 1° temporada – 2016.

  1. Pingback: #STAG – 7 coisas para 2017

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s