Livro: Mulheres que não sabem chorar – Lilian Farias.

Boa noite, leitores.

Li recomendação desse #livro em 2017 e o comprei em uma promoção na mesma época, mas só agora consegui ler porque, claro, a quantidade de livros que pretendo ler e o tempo disponível não batem.
Não sabia do que se tratava, mas pelo título, que gostei, imaginei se tratar de uma história sobre #mulheres. E estava certa.
O livro aborda, através de experiências reais da autora, a criação de três protagonistas, Ana, Marisa e Olga. Através do olhar delas descobrimos suas dores e traumas, a história de vida difícil e seus dias atuais.
Embora eu não tenha me apaixonado pelas personagens, Marisa sendo a mais controversa e difícil de entender, o enredo é bem construído e as reflexões são valiosas.
Uma obra que retrata um pouco de cada uma de nós e nossas bagagens. É um livro duro e que emociona.
O ponto alto foi entender que o que cura tudo não é o tempo, como eu costumava dizer, e sim a sabedoria, esta que pode vir com a ajuda do tempo.
O quanto o choro é tido pela sociedade como sinal de fraqueza e que por isso não nos permitimos sentir. Guardamos e acumulamos sentimentos até transbordar.
A autora, Lilian Farias, muito corajosamente, fala sobre assuntos tabus. E soa bastante natural, principalmente a sexualidade das mulheres desta narrativa.
A autora tem um blog, Poesia na alma, e além disso pode ser encontrada nas redes sociais.
Achei interessante sua relação com as flores e que cada capítulo traz uma flor como título.
Existe também como personagens secundários outras dezenas de mulheres. O texto é bem fluído e pode ser lido de uma só vez.
Como prefácio, temos três depoimentos ótimos e o que eu mais gostei foi do Robertson Ferreira, psicólogo. Um início incrível já me fazendo arrepiar nas primeiras páginas. #recomendo

#mulheresquenaosabemchorar #lilianfarias #gizeditorial #2015 #literaturabrasileira #notacinco #dicadelivros #leiturarapida #leitora

Beijos e até a próxima 📚.

Anúncios

Livro As vinhas da ira – John Steinbeck.

Bom dia, leitores.

Esse ano, uma das minhas prioridades literárias era a #leitura de #classicos.

O livro traz como tema central a famosa busca à terra prometida. Em como manter a dignidade em meio ao caos e a extrema pobreza.

O início do #livro foi bastante arrastado, como senso comum de livros volumosos, ele é bem detalhista e íntimo. Mas a fluência acontece no decorrer da história, quando buscamos descobrir o que acontece com essa família.

Esperava um pouco mais do final, mas ainda assim, é ótimo.

#familia #uniao #empatia #generosidade #solidariedade #flexibilidade #trabalho #justicasocial #capitalismo #fome são alguns dos tópicos presentes durante toda a narrativa.

É o tipo de literatura que nos toca e emociona. Nos traz reflexões e ensinamentos.
“Um sujeito tem uma parelha de cavalos; lavra com eles e cultiva a terra e ceifa com eles. E nunca teria deixado que morressem de fome quando não trabalhassem. É que são cavalos, e nós somos homens”. Pág 546.

Publicado em 1939, ”As vinhas da ira” marcou o auge da carreira do autor e também um documento social e marco da literatura. O livro representa o confronto entre indivíduo e sociedade, através da epopéia da família Joad, expulsa pela seca dos campos de algodão de Oklahoma, para tentar a sobrevivência como boias-frias nas plantações de frutas do Vale de Salinas, na Califórnia. Steinbeck retratou a situação do homem moderno diante das dificuldades, a pobreza e a privação em um universo feroz, protagonizado por vítimas da competição e párias sociais. Tão americano quanto universal, o autor exibe na vida e na arte irredutíveis paradoxos, provocados pela tensão entre instinto e mente, natureza e história, a civilização e seus descontentes. ”As vinhas da ira” é a prova de que homens em lugares e situações comuns podem ser tocados pela intensidade e conduzidos a imortalidade.

#asvinhasdaira #johnsteinbeck #record #2009 #edicao #romance #americano #notaquatro #thegrapesofwrath #leitora #dicadelivros

Beijos e até a próxima 📚.

LBB: Em suas mãos – Bianca Briones – Tweet mês Novembro.

Boa tarde, leitores.

Este é meu quarto livro lido em parceria pelo projeto LBB. Leitura em conjunto a ser definido em 288 caracteres.

O livro sorteado foi EM SUAS MÃOS.

E vamos as impressões:

Eu, Adriana – umapaixaochamadalivrosblog:

Letras de músicas introduzindo capítulos intercalados de Luiza e André, vemos um romance florescer, apesar da resistência de ambos. Temas como família, amizade, trabalho, empatia, justiça, natureza, vícios e traumas, porém de maneira superficial. Melhor parte é a vinda de Diana.

Willyara – Entre nos mundos:
http://www.entrenosmundosblog.wordpress.com/

Uma leitura pra encher os coração de calorzinho, conhecemos Luiza e André, pessoas diferentes e ao mesmo tempo tão parecidas, vão encontrar um no outro o motivos para superar os obstáculos que eles mesmos colocaram. A autora traz na escrita os receios que todos nós temos ou já tivemos em relação ao amor e família.

Coelho da Lua: http://www.coelhodalua.com

Mayara Amorim:

Com uma escrita fascinante e acelerada, este romance comovente traz a história de duas pessoas que parecem ser bem diferentes mas que tiveram passados traumáticos. Luiza e André são, acima de tudo, bondosos e a aproximação deles mudará intensamente suas vidas.

Disney Sigh GIF - Find & Share on GIPHY

Autor: Bianca Briones

Editora: Amazon – Ano: 2016.

Páginas: 180.

Gênero: Romance/ Ficção.

Nota: 3.

Sinopse: Luiza é uma advogada bem-sucedida que busca crescer mais a cada dia, sem abandonar seu principal objetivo: ajudar pessoas.
Ela sabe o quanto precisou lutar para conquistar sua posição e valoriza muito sua vida profissional.
André é um paisagista apaixonado pela natureza e pela vida.
Apesar das mágoas causadas por um casamento fracassado, ele ainda acredita que o amor está por aí, esperando para germinar, como as sementes de suas flores.
Luiza se fechou para o amor.
André tem o amor na ponta dos dedos.
Quando seus caminhos se cruzam, cabe a Luiza escolher se deve se abrir e a André aceitar ou não a proposta que vai mudar a vida de ambos para sempre.
Mas antes ele precisa decidir até que ponto iria para salvar sua família.
‘Em suas mãos’ conta a história de um amor improvável e ao mesmo tempo destinado a acontecer.”

Ficção / Literatura Brasileira / Romance.

Beijos e até a próxima ❤️.

Livro Como começou a guerra fria – Amy Knight.

Boa noite leitores,

Quem me acompanha já sabe o quanto sou fascinada por história, tanto brasileira quanto internacional porque entendo que para compreendermos o presente, é importante conhecer o passado.

Esse #livro chamou a minha atenção na biblioteca pois #guerrafria era um tema que eu pouco entendia.

Porém, para minha decepção, a história gira em torno da deserção de Igor Gouzenko, um espião russo que trabalhou no Canadá na época do fim da #segundaguerramundial.

Com muitos detalhes técnicos, depoimentos e informações sobre suas declarações, o livro ficou pouco fluído e interessante. Apenas nas páginas finais, temos de fato uma visão mais ampla de como foi o período.

Ainda sim, o livro traz temas importantes, como o macarthysmo, que após terminar a #leitura fui pesquisar mais na internet e principalmente, sobre como o medo do comunismo fez com que órgãos dos Estados unidos, Inglaterra e Canadá feriram liberdades individuais e civis.

Como o ódio a um regime político, o da União Soviética, tornou a justiça desses países paranóicos e irresponsáveis, destruindo reputações de pessoas que não cometeram crime algum.

Aborda ainda #relacoesinternacionais, #bombaatomica, #terrorismo, #democracia, entre outros.

Explora também sobre a KGB, polícia secreta russa, que pra mim, que sou fã da série americana, #theamericans é relevante.

“Quem quer que lute contra monstros deve tomar cuidado para não se tornar um monstro” Nietzsche.

A leitura é aproveitável também por nos fazer refletir sobre os conceitos de traição, lealdade, patriotismo e espionagem.

Existem dois vídeos no YouTube, para quem quiser entender a guerra fria, a corrida armamentista e espacial pós 1944:
Canal Débora Aladim

e Canal Nostalgia

São ótimos.

#comocomecouaguerrafria #igorgouzenko #amyknight #record #2008 #politicainternacional #notatres #howthecoldwarbegan #leitora #literatura

Beijos e até a próxima 📚.

Livro A insustentável leveza do ser – Milan Kundera.

Boa tarde leitores,

E com este #livro eu alcanço minha #metadeleitura do ano. 90 livros lidos.

Li por indicação. Achei intenso e bastante questionador. O narrador interage com o leitor. Através do romance de quatro personagens reais e falhos.

Temos abordagem do período #comunista, da #religião cristã, da #filosofia e da #psicanalise mesclado ao enredo da vida dos protagonistas. E claro, os temas centrais de #amor e #sexualidade.

O texto é bem fluído e envolvente. Complexo, porém didático. Ideologia x realidade.
Com a profundidade dos temas o leitor se vê atento para não perder a amplitude de pensamentos possíveis.

Um livro em que o desenvolvimento dos enredos erótico-amorosos se conjuga com extrema felicidade à descrição de um tempo histórico politicamente opressivo e à reflexão sobre a existência humana como um enigma que resiste à decifração – o que lhe dá um interesse sempre renovado. Quatro personagens protagonizam essa história – Tereza e Tomas, Sabina e Franz. Por força de suas escolhas ou por interferência do acaso, cada um deles experimenta, à sua maneira, o peso insustentável que baliza a vida, esse permanente exercício de reconhecer a opressão e de tentar amenizá-la.

#ainsustentavellevezadoser #milankundera #novafronteira #1983 #romancetcheco #notaquatro #leitora #literaturaestrangeira #dicadelivros #leitura

Beijos e até a próxima 📚.

Livro Admirável mundo novo – Aldous Huxley.

Boa noite leitores,

Uma #distopia, um #classico, ótimas reflexões, porém uma leitura cansativa e pouco fluída pela riqueza de detalhes fantasiosos. Onde a verdade e a beleza foram substituídas por felicidade e conforto. Nada que promova pensamentos críticos sobreviveram, como os livros e as artes. Um mundo vazio e sem liberdade. Os indivíduos não são únicos, são produzidos por escala. As máquinas dominaram o mundo. Embora fictício, em alguns momentos fica claro a semelhança com nossa sociedade atual.

Ano 634 d.F. (depois de Ford). O Estado científico totalitário zela por todos. Nascidos de proveta, os seres humanos (pré-condicionados) têm comportamentos (pré-estabelecidos) e ocupam lugares (pré-determinados) na sociedade: os alfa no topo da pirâmide, os ípsilons na base. A droga soma é universalmente distribuída em doses convenientes para os usuários. Família, monogamia, privacidade e pensamento criativo constituem crime.

Os conceitos de “pai” e “mãe” são meramente históricos. Relacionamentos emocionais intensos ou prolongados são proibidos e considerados anormais. A promiscuidade é moralmente obrigatória e a higiene, um valor supremo. Não existe paixão e nem religião. Mas Bernard Marx tem uma infelicidade doentia: acalentando um desejo não natural por solidão, não vendo mais graça nos prazeres infinitos da promiscuidade compulsória, Bernard quer se libertar. Uma visita a um dos poucos remanescentes da Reserva Selvagem, onde a vida antiga, imperfeita, subsiste, pode ser um caminho para curá-lo. Extraordinariamente profético, “Admirável mundo novo” é um dos livros mais influentes do século 20.

#admiravelmundonovo #aldoushuxley #circulodolivro #globo #edicao #1982 #notatres #literaturaestrangeira #leitora #leitura #livros

Beijos e até a próxima 📚.

Livro Ensaio sobre a cegueira – José Saramago.

Boa noite, leitores,

Uma #distopia crua e intensa, sobre uma cegueira coletiva que diferente do padrão de escurecimento, é o embranquecimento total e inesperadamente afeta pessoas por contágio no ar e que são enviadas a um antigo manicômio para tentar estancar a epidemia.

Somente uma mulher não é infectada e presencia o horror social.
Nenhum personagem tem nome próprio, são identificados com características pessoais e não há separação de diálogo.
O narrador é questionador e em terceira pessoa cumpre bem o papel de detalhar os acontecimentos de forma intensa e realista.

O #autor pretende com a #obra nos fazer enxergar coisas que mesmo vendo, não entendemos. Refletir sobre o ser humano, sobre nosso egoísmo, nosso lado irracional e animal.

No decorrer do texto é fácil perceber a perda de identidade, a tentativa de sobrevivência acima de questões éticas e morais. A cegueira vai além dos olhos. É uma cegueira social que já existe na sociedade.

“Penso que não cegamos, penso que estamos cegos, cegos que vêem, cegos que, vendo, não vêem”. Pág 310.

O #livro foi #adaptado para o #cinema, de mesmo nome, eu já tinha assistido há anos e achado bastante forte. O livro é bem superior. Não é uma leitura fácil. Mas trata-se de um clássico, daqueles que não nos esqueceremos. Eu deveria ter lido enquanto estudante, mas antes tarde do que nunca.

Existe uma obra posterior intitulada Ensaio sobre a lucidez que com certeza lerei.

Reflexões sobre o que faríamos se ninguém estivesse olhando ou fosse saber. O quanto a vaidade e os costumes torna-se irrelevantes. Sentir-se sozinho e desamparado. Sem confiança em si e nos outros. A desesperança com o futuro. O quanto tudo perde sentido. Bem materiais, profissão, estudo e também o conhecimento. Trágico.

#ensaiosobreacegueira #josesaramago
#companhiadasletras #1995 #romanceportugues #notaquatro #nobel #ficcao #literaturaestrangeira #leitora