Livro: A grande solidão – Kristin Hannah.

Bom dia leitores,
Meu 6° #livro dessa autora, que sou fã, e sempre começo a #leitura com altas expectativas. E esse não decepciona. A próxima obra dela que pretendo ler é “As coisas que fazemos por amor”.
Todos os seus livros são carregados de emoção. Encontramos drama, romance, aventura, um quê de suspense e tristeza. O tipo que nos faz refletir sobre questões humanas. Nesse, talvez, a pergunta seja: Até onde devemos ir por amor? Qual o limite justificado?
A narrativa começa no ano de 1974, no imediato pós-guerra do Vietnã. Nos Estados Unidos ainda sob o choque da divisão que o conflito deixou no país. É nesse cenário meio sonolento, meio entorpecido após tantas revoluções, que conhecemos os Allbrights, uma família que tenta sobreviver num mundo para o qual não está nem um pouco preparada. Em diversos sentidos.
A história é contada sob a ótica de Lenora, ou Leni, a filha única do veterano do Vietnã, Ernt, e da delicada e sonhadora Cora.

Ernt, que era mecânico antes de ser convocado e, posteriormente, capturado na guerra, é um homem doente e desajustado. Vítima do estresse pós-traumático, ele não consegue se fixar em um emprego e com isso vive arrastando a família pelo país, sempre em busca do “lugar ideal”. Delirante, psicótico e com mania de perseguição, é dele a ideia de se mudar com a família para o Alasca.
Tentei praticar minha empatia com esse homem perturbado, mas na medida que suas ações eram destrutivas, negligentes e violentas com sua família, não há como defender. Nos tempos atuais, é impossível passar a mão na cabeça de homem abusivo.
Já Cora é uma mulher de seu tempo. Condescendente com Ernt e seu amor tóxico e doentio, ela não consegue se libertar. Leni, a filha, lida com o temperamento explosivo do pai, a passividade da mãe e sua vida também corre perigo. Ainda mais quando se apaixona por Matthew, um rapaz doce e bom.

A história conta com pelo menos quatro reviravoltas surpreendentes e muito importantes.

Uma história sobre lealdade, amor e sobrevivência. O amor materno como impulsor maior da vida.

#agrandesolidao #kristinhannah #arqueiro #2018 #ficcaoamericana #notacinco #leitora #dica #livrosnovos #literaturaestrangeira

Beijos e até a próxima 📚.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s