Livro: Tudo aquilo que eu não disse – Kathryn Hughes.

Bom dia leitores.
Um #livro comprado sem pretensão, em promoção num livraria física. Imaginava um romance fofo. É a estreia da autora, que eu não conhecia. E que escreve maravilhosamente bem.
As passagens de tempo do livro são perfeitas, bem fluidas, narradas e conectadas.
Temos duas protagonistas. Tina, em 1973, com quase trinta anos, vive um relacionamento abusivo, um marido alcoólatra que a violenta de todas as formas. Às vezes é difícil a nossa relação com a personagem, mas é importante entender o contexto e a história dela. Tudo começa a mudar quando na loja beneficente de roupas que ela trabalha é entregue uma sacola e uma carta de 1939 se revela.
Chrissie, uma jovem de menos de vinte anos, família abastada e rígida se apaixona por Billy e juram amor eterno. Porém a interferência do pai dela muda o destino de todos.
Como elementos secundários temos a eclosão da segunda guerra mundial, temos temas como adoção, maternidade, perdas e mortes.
O livro é muito bem construído e conseguimos conhecer bem todos os personagens.
Algumas reviravoltas inesperadas, alguns encontros divinos e um bom final. Ainda que eu tenha achado exagero um acontecimento já nas últimas páginas, gostei bastante da #leitura.

#tudoaquiloqueeunaodisse #kathrynhughes #astralcultural #2018 #literaturainglesa #notacinco #leitora #lendosemparar #livrosnovos #literaturaestrangeira #ficcao

A vida da doce Tina Craig parece estar destinada a mesmice dos anos 70: ela vive presa em um casamento infeliz com um marido problemático. Isso desafia Tina a unir todas as suas forças para sair desse abismo e finalmente conquistar a paz de espírito que ela tanto quer. Seu destino toma um rumo diferente quando ela encontra uma carta escrita em setembro de 1939. A carta, que nunca chegou ao destino certo, lhe traz uma nova esperança, um alento para o seu coração tão maltratado. Tudo muda de figura quando a vida de Tina se choca com os destinos do casal Billy e Chrissie, trazendo William, um jovem em busca de sua mãe biológica, para sua jornada por conta de um mero acaso.

Beijos e até a próxima 📚.

Livro: O homem de lata – Sarah Winman.

Bom dia leitores,
É, alguns livros me ganham pela capa! Este eu comprei numa loja física da Saraiva e estava em promoção. Imaginei um romance leve. Há, que surpresa.
O livro inicia em 1950, no nascimento de Ellis. Pulamos alguns anos, quando ele entra na adolescência, aos poucos vamos descobrindo a vida dele, sua mãe amorosa, seu pai tirano, sua perda de rumo, sua amizade com Michael, um refúgio em sua vida castrada. Ele queria ser artista, ele queria um grande amor, porém seria talvez impossível naquela época viver seus sonhos. Ele se conforma com uma vida comum, um emprego em uma fábrica. Annie é sua opção de viver da melhor maneira possível. Um amor livre e compreensivo. A narrativa é triste e nostálgica quando ele se vê sozinho, arrastando os dias já com 46 anos de idade.
A segunda parte do #livro temos a visão da vida de Michael, alegre, expansivo, liberto. Assim entendemos claramente que o livro se trata de escolhas, de “e se” que permeia as pessoas. O que poderia ter sido se o mundo não fosse como é.
Um amor gentil, puro e lindo. Que foi interrompido. Importante para entender o horror do preconceito nas relações humanas.
A escrita é suave e fluída. E ao final da #leitura o sentimento é de melancolia.
Outro acerto importante é o HIV sendo retratado. Além das referências literárias, musicais e de obras de artes.
Também dividido entre Oxford, Londres e uma viagem inesquecível, a descrição dos lugares é ótima. Vale a pena!

#ohomemdelata #sarahwinman #faroeditorial #2018 #ficcaoinglesa
#notacinco #literatura #lendo #leitora #romance

Em 1963, Ellis e Michael eram dois garotos de doze anos que se tornaram grandes amigos. Durante muito tempo, sempre foram apenas os dois, andando pelas ruas de Oxford, um ensinando ao outro coisas como nadar, descobrir autores e livros e a esquivar-se dos punhos de seus pais dominadores. Até que um dia algo muito maior que uma grande amizade cresce entre eles. Mas então, avançamos cerca de uma década nesta história e encontramos Ellis, agora casado com Annie, e Michael não está mais por perto. O que leva à pergunta: o que aconteceu nos anos que se seguiram? Esta é quase uma história de amor. Mas seria muito simples defini-la assim.

Beijos e até a próxima 📚.